CLIMATE CHANGE, INTERSECTIONAL JUSTICE AND PEOPLE ON THE AUTISM SPECTRUM

 

By Celina Pinagé  (English and Portuguese versions)

In recent years, the narrative revolving around climate change has been amplified to encompass dialogues concerning groups and communities that are disproportionately burdened by the environmental crisis. However, there is virtually no consideration when it comes to how people on the autism spectrum are affected by environmental hazards caused by global warming.

Historically, marginalised groups suffer even more from inequalities in the face of climate change and environmental risks, especially when basic rights, despite being guaranteed under the law, are not fully safeguarded and fulfilled. Due to marginalisation, discrimination, socio-economic factors, autistic people may experience the effects of climate change in a different and intensified way in comparison to other social groups.

Until (appallingly) a few years ago, autists were abandoned in “lunatic” asylums, disguised under the name “Psychiatric hospital”, where they suffered, in an institutionalized way, from every form of violence imaginable. From sexual abuse, to dietary restrictions and electroshocks, the normalisation of the violation of the basic rights of people with invisible disabilities continues to this day. People on the autism spectrum stand out for being in a situation of social and labour exclusion more than any other group.

The non-compliance with the human rights of people on the spectrum can be observed in several areas, Professor Baron-Cohen, director of the Centre for Autism Research at the University of Cambridge, pointed out where these violations could be found: “People with autism account for a significant minority of the population worldwide, yet we are failing them in so many respects,” he said. “This creates barriers to their participation in society and to their autonomy that must be addressed. We have had a UN Convention to support people with disabilities for over 10 years now and yet we still are not fulfilling their basic human rights.”

According to the National Autistic Society, autistic people are three times more likely to be victims of abuse or aggression. The increase in social stress generated as a consequence of climate change, works as a stressor aggravating the risk of violence suffered by this group. In parallel, it must not go unstated how police violence against people with Autism Spectrum Disorder (ASD) has become more common and frequent, thereby violating their basic right to dignity, their right to be protected by the law, with a fair and impartial trial. According to a report published by the Ruderman Family Foundation, disabled individuals make up a third to half of all people killed by law enforcement officers.

The right to education afforded to those on the spectrum has also been shown to be inefficient on a global scale: the lack of accessibility in the educational system has generated a high drop-out rate in children and young people with autism, limiting access to knowledge, resources and services, depriving them of the tools to empower them to respond effectively to environmental changes.

This school deficit brings, as a consequence, the problem of an inaccessible and exclusive labour system, where 85% of adult autistic people have no opportunities in the labour market, resulting in a greater probability of living in poverty. In this sense, pre-existing inequalities are compounded, as the poorest people continue to suffer the most serious impacts of climate change through loss of income, displacement, hunger and health impacts.

A cognitive barrier

One of the most common characteristics in autistic people is called SPD (Sensory Processing Disorder), which hinders the brain’s ordering sensory abilities, which may result in hypersensitivity or hyposensitivity. About 56 to 80% of people on the autism spectrum have some hypersensitivity to external factors, such as sounds, textures, temperatures, smells or lights.

Temperature changes act as an increase in sensory stimulus and, therefore, can be more easily perceived by those who have the sensory processing disorder. Climate change is a risk factor for people within the spectrum of autism, since the environmental changes caused by global warming tend to generate a sensory overload, which, in most cases, causes people on the spectrum to suffer from severe crises.

There are three types of crises that can be caused by excessive sensory stimuli: meltdown, which occurs as a nervous crisis, characterized by crying, screaming and intense repetitive movements, lasting, in general, minutes or hours. Shutdown is the crisis marked by the difficulty of answering or responding to any type of communication, it is commonly associated with a failure in the operating system of a computer. Burnout is a long-term exhaustion, with a feeling of physical and mental exhaustion, and symptoms very similar to clinical depression, which can last for weeks, months or even years. The amount and intensity of sensory crises in people with ASD directly impact their quality of life, bringing negative results in social interaction and communication. This adversity in socialisation can result in difficulties in escaping or evacuating in the face of intense environmental disasters, such as hurricanes, floods and cyclones, generating disproportionately higher rates of morbidity and mortality in people on the autism spectrum.

The difficulty in communication can also have a major impact on the well-being and health of this group in the face of climatic emergency situations. When faced with environmental disasters, autistic people may have considerable difficulties in having independent access to water and sanitation, increasing the likelihood of contracting infectious diseases. Even in non-extreme events, such as air pollution, the impact on health can be perceived in the long term.

 

How must we act to change this reality?

The social structures and standards, coupled with social norms/expectations, limit the empowerment and exclude the voices of autistic people in the face of any and all biases of society. In decision-making realms, they are silenced, ignored and left aside as stakeholders. Given that the effects of climate change exacerbate inequality and aggravates the risks for autistic people, it is essential for this group to be included in climate action. It is fundamentally crucial to integrate the rights of people with ASD as a necessary component of climate change mitigation policies. It must be ensured that the planning of adaptations in the face of climate change is thought from an accessible and inclusive perspective.

The significant, meaningful integration of autistic people in climate-related education, training and public awareness is a decisive factor for the implementation of measures that increase the participation of people in the spectrum in decision-making, creating opportunities for barriers

to be permanently removed. As a consequence, (1) the strengthening of communication, (2) the expansion of peace networks and (3) the guarantee of inclusive social, economic and political structures, foster systemic change in a discriminatory framework. This constitutes a step forward towards the full and unconditional integration (and protection) of the rights of people the autism spectrum, thus minimising, the burden and impacts of climate change

 

CONTRIBUTING WRITER

Celina Pinagé 

Activist for climate and biodiversity, Celina Pinagé engages in the fight for sustainability and environmental conservation. Autistic and activist for the rights of people with disabilities, she works towards their inclusion and empowerment, mainly within the environmental agendas and debates.

 

 

 

 

MATÉRIA EM PORTUGUÉS 

Observando o cenário do enfrentamento às mudanças climáticas, é possível perceber que nos últimos anos o diálogo ampliou-se a falar dos grupos vulneráveis aos desastres ambientais. No entanto, ainda não há uma contemplação de como pessoas no espectro do autismo podem ser afetadas e as possíveis consequências geradas por este impacto.

Historicamente, grupos marginalizados tendem a sofrer ainda mais com as desigualdades perante as mudanças climáticas e os riscos ambientais, principalmente quando os direitos básicos, garantidos perante a lei, não são integralmente assegurados.

 

Devido à marginalização, discriminação, fatores sociais e econômicos, autistas podem experimentar os efeitos das alterações climáticas de maneira diferente e intensificada em comparação a outros grupos sociais.

 

Até poucos anos atrás, autistas eram abandonados em manicômios, disfarçados sob o nome de “Clínicas psiquiátricas”, onde sofriam, de forma institucionalizada, toda forma de violência imaginável. De abusos sexuais, a restrições alimentares e eletrochoques, a normalização da violação dos direitos básicos de pessoas com deficiências não visíveis perdura até os dias atuais. Pessoas dentro do espectro do autismo se destacam por estar em situação de exclusão social e trabalhista mais do que qualquer outro grupo.

O descumprimento dos direitos humanos de pessoas no espectro pode ser observado em diversos âmbitos, o professor Baron-Cohen, diretor do Centro de Pesquisa do Autismo da Universidade de Cambridge, apontou onde essas violações poderiam ser encontradas.

Segundo a National Autistic Society, autistas apresentam três vezes mais probabilidade de serem vítimas de abuso ou agressão. O aumento do estresse social gerado como consequência das alterações climáticas, tende a funcionar como um favor de agravamento ao risco de violência sofrida por este grupo. Paralelamente, ferindo o direito básico à dignidade e à proteção da lei com um julgamento justo e imparcial, a violência policial tem se tornado cada vez mais comum e frequente contra pessoas com TEA. De acordo com um relatório publicado pela organização Ruderman Family Foundation, entre um terço e metade das pessoas que morrem nas mãos da polícia podem ter uma deficiência.

O direito à educação também tem se mostrado ineficiente em escala mundial, a falta de acessibilidade no sistema educacional tem gerado um alto índice de evasão escolar em crianças e jovens autistas, limitando o acesso a conhecimentos, recursos e serviços para responder com eficácia às mudanças ambientais.

O déficit escolar traz, como consequência, a problemática de um sistema trabalhista não acessível e inclusivo, onde 85% dos autistas adultos encontram-se fora do mercado de trabalho, resultando em uma maior probabilidade de viverem na pobreza. Neste sentido, as desigualdades preexistentes são ampliadas, já que as pessoas mais pobres continuam a sofrer os impactos mais graves da mudança climática por meio de perda de renda, deslocamento, fome e impactos na saúde.

 

Uma barreira cognitiva

Uma das características mais comuns em autistas é o chamado TPS (Transtorno de Processamento Sensorial), que configura uma dificuldade no ordenamento das habilidades sensoriais, podendo ter como consequência a hipersensibilidade ou a hipossensibilidade. Cerca de 56 a 80% das pessoas no espectro do autismo apresentam alguma hipersensibilidade à fatores externos, como sons, texturas, temperaturas, cheiros ou luzes.

Mudanças de temperatura funcionam como um aumento de estímulo sensorial e, por isso, podem ser mais facilmente percebidas por aqueles que apresentam o transtorno de processamento sensorial. As mudanças climáticas são um fator de risco a pessoas dentro do espectro do autismo, a partir do momento que as alterações ambientais causadas pelo aquecimento global tendem a gerar uma sobrecarga sensorial, que, na maioria das vezes, acarreta crises severas.

Existem três tipos de crises que podem ser causadas por excesso de estímulos sensoriais: meltdown, que ocorre como uma crise nervosa, caracterizada por choros, gritos e movimentos repetitivos intensos, durando, em geral, minutos ou horas. Shutdown é a crise marcada pela dificuldade de atender ou responder a qualquer tipo de comunicação, é comumente associada à um pane no sistema operacional de um computador. Burnout é uma exaustão à longo prazo, com sensação de esgotamento físico e mental, e sintomas muito semelhantes à depressão clínica, podendo durar semanas, meses ou até anos. A quantidade e a intensidade das crises sensoriais em pessoas com TEA impactam diretamente na qualidade de vida destes, trazendo resultados negativos na interação social e comunicação. Essa adversidade na socialização pode resultar em dificuldade de fugas ou evacuações perante desastres ambientais intensos, como furacões, enchentes e ciclones, gerando taxas desproporcionalmente mais altas de morbidade e mortalidade em pessoas no espectro do autismo.

A dificuldade na comunicação também pode causar um grande impacto no bem-estar e na saúde deste grupo perante situações de emergência climática. Ao se depararem com desastres ambientais, autistas podem ter dificuldades consideráveis de ter acesso independente à água e saneamento, aumentando a probabilidade de contraírem doenças infecciosas. Mesmo em eventos não extremos, como a poluição do ar, o impacto na saúde pode ser percebido a longo prazo.

 

Como podemos agir?

Os sistemas e padrões sociais limitam a ação e voz de autistas perante todo e qualquer viés da sociedade. Na tomada de decisões, são silenciados, excluídos e deixados de lado enquanto partes interessadas. Como os efeitos das mudanças climáticas exacerbam a desigualdade e o risco para autistas, é fundamental que este grupo seja incluído na ação climática. Faz-se essencial a integração dos direitos das pessoas com TEA como um componente necessário das políticas de mitigação das mudanças climáticas. Deve ser garantido que o planejamento de adaptações perante as mudanças climáticas seja pensado a partir de uma perspectiva acessível e inclusiva.

A integração significativa de autistas na educação relacionada ao clima, treinamento e conscientização pública é um fator decisivo para a implementação de medidas para aumentar a participação de pessoas no espectro na tomada de decisões, criando oportunidades para que as barreiras sejam superadas. Como consequência, o fortalecimento da comunicação, a ampliação das redes de paz e o asseguramento das estruturas sociais, econômicas e políticas inclusivas e voltadas para este grupo, caminham para a integração plena e total dos direitos das pessoas no espectro do autismo, minimizando, assim, as cargas e impactos das mudanças climáticas.

 

Sobre aCelina Pinagé

Ativista pelo clima e pela biodiversidade, engaja na luta em prol da sustentabilidade e conservação ambiental. Autista e ativista pelos direitos das pessoas com deficiência, trabalha com inclusão de PCDS, principalmente, dentro das pautas e debates ambientais.

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>